Últimos posts
Historia de Florença

A fundação de Florença data dos tempos romanos, mas há evidências de que já tivesse sido ocupada em tempos pré-históricos. Na parte mais antiga da cidade você pode ver a marca dessas origens romanas, da Florença colônia de César. Para a defesa, a cidade foi construída na confluência de dois rios: Arno e Mugnone, onde as populações foram dispostas em tempos mais remotos. Planejada em forma retangular, a cidade foi colocada dentro de muros ao longo de um perímetro de 18 quilômetros. A área construída, assim como todas as cidades fundadas pelos romanos, é caracterizado por estradas retas que se cruzavam perpendicularmente. As duas estradas principais levavam a quatro portas e convergiam na praça central, o Fórum Urbis, agora Piazza della Repubblica, um lugar destinado à cúria e ao templo dedicado à Tríade Capitolina (Júpiter, Juno e Minerva).

Achados arqueológicos, muitos dos quais surgiram durante as obras da reforma no antigo centro da cidade, permitiram localizar e identificar os restos de grandes obras públicas, tais como as Termas Capitolinos, os banhos de Capaccio, o sistema de esgoto, pavimentação de ruas e do Templo de Ísis, na Piazza San Firenze. Naquela época, o Arno ainda não estava na área interna dos muros, havia um porto fluvial, que representava uma infraestrutura muito importante para a cidade, dado que no período romano o rio era navegável desde a boca até a afluência com o Áfrico, na montante de Florença, e a primeira ponte na história florentina foi construída perto da atual Ponte Vecchio, em torno do século I d.C.

Os primeiros sinais do advento do cristianismo remetem à adoração ao decano Lourenço e para a Santa palestina, Felicita. Sendo assim, as primeiras igrejas construídas em Florença foram: San Lorenzo, consagrada em 393 a primeira diocese da cidade, e Santa Felicita, cujas origens remontam aos quarto e quinto séculos. No entanto, os florentinos não tiveram um bispo antes do terceiro século d.C. O primeiro registro é São Felice, que participou de um sínodo romano, em 313.

As invasões bárbaras prejudicaram seriamente a cidade de Florença. Em 405, a cidade conseguiu parar as hordas de Radagásio, mas depois não conseguiu evitar o envolvimento na desastrosa guerra entre os Godos e Bizantinos. Sua localização estratégica como ponte sobre o rio Arno e ponto de comunicação entre Roma e Padania explica por que a cidade foi tão disputada entre os Godos e Bizantinos. Entre 541 e 544 foram construídos novos muros para a cidade, sobre a estrutura de diversas grandes construções romanas, como o Capitólio e o reservatório de água e do teatro. As paredes eram trapezoidais e seu tamanho modesto atesta o declínio da cidade, muito despovoada, com menos de mil habitantes.

Durante o período carolíngio, no século VIII, foi estabelecido um sistema feudal e Florença tornou-se um condado do Sacro Império Romano. Os documentos falam de um renascimento da cidade nessa época: no século IX surge uma escola pública eclesiástica e a ponte sobre o rio Arno, que anteriormente havia sido destruída, foi reconstruída. No final do século novas muralhas foram construídas, provavelmente por medo das invasões húngaras. Este terceiro círculo seguiu parcialmente a linha das antigas muralhas romanas, estendendo-se para o sul para incluir os subúrbios que se desenvolveram com prosperidade, enquanto ao norte, por razões políticas, foram excluídos o Batistério, Santa Reparata, o Palácio do Bispo, as adjacências do Palácio Real, onde o representante do Imperador tinha o seu Tribunal de Justiça.

No final do século XIII e século XIV acentuou os contrastes entre as classes mais baixas e a classe de comerciantes ricos. Estes últimos conseguiram se estabelecer no poder, mas no século XIV a população menos favorecida tentou várias vezes para ampliar a base democrática de governo. Em 1378, sob o impulso de um movimento movido pelo proletariado, o grupo de pessoas mais afortunadas foi forçado a aceitar uma reforma constitucional que incluía a criação de novas cooperativas; Tintori, Farsettai, Corsettieri e Ciompi, correspondente às tarefas mais humildes e trabalhadores. Por causa de interesses divergentes internos e a inabilidade de governar, essas cooperativas não conseguiram sustentar a reação dos comerciantes de classe média, que logo resumiram o poder pela enésima vez.

Quando o poder voltou para ao partido dos gordos, no final do século XIV, um regime oligárquico foi criado em Florença e um pequeno número da classe média mercantil governou a cidade por cerca de 40 anos. No entanto, seguiu forte oposição à oligarquia que foi inteligentemente explorou esse descontentamento popular. Aquela parte da classe média que tinha sido excluída do poder se juntou ao povo e encontrou um líder em Giovanni Médici, chefe da empresa mais rica e poderosa da Calimala. Após a morte de Giovanni (1429), o contraste entre as os partidos ficou ainda mais evidente, enquanto continuava a crescer a corrente de opinião favorável à Médici.

Com o projeto de Giuseppe Poggi para Florença, capital da Itália entre 1864 e 1870, foram demolidos os muros da cidade para a construção de avenidas e praças, como a Viale dei Colli e a Piazzale Michelangelo. Criaram-se novos bairros residenciais, tanto no interior (o distrito de Mattonaia em torno a Piazza Indipendenza, o bairro Maglio em torno da Piazza d'Azeglio) quanto em áreas mais distantes (Savonarola, San Jacopino, Piagentina). Construções foram colocadas abaixo no centro da cidade em torno do Mercado Velho (1885-1889) para a criação do grande Piazza Vittorio Emanuele II (agora Piazza della Repubblica) e para a construção de edifícios utilizados principalmente para o escritório, e assim começou o setor de serviços do centro da cidade, nas primeiras décadas do século XX. De acordo com o padrão de planejamento urbano de Poggi, a cidade expandiu-se rapidamente para as colinas vizinhas - Via Vittorio Emanuele II a oeste, Viale  Volta ao leste e Oltrarno, ao longo da Via Pisana, além de Pignone, onde a fusão das áreas deu origem ao primeiro núcleo industrial, juntamente com habitação dos trabalhadores.

Fonte: Gov Itália e About Florence

Conheça mais sobre Florença
Destinos Italia
Publicidade