Últimos posts
Historia de Valencia
Praça de Touros de Valencia - Foto: Fotoblog Rare de Vlc (Licença-cc-by-sa-2-0)
Praça de Touros de Valencia - Foto: Fotoblog Rare de Vlc (Licença-cc-by-sa-2-0)

Em 138 a.C., Valência foi fundada, sob o nome de Valentia Edetanorum, pelos romanos, à época em que era cônsul Décimo Júnio Bruto Galaico. É, por isso, uma das mais antigas cidades da Espanha actual. Em meados do século I ocorria na cidade um considerável crescimento urbano, motivado pela existência de um porto, e já começava a formar-se uma primitiva comunidade cristã no início do século IV. No século V surgiram as primeiras ondas invasivas dos povos germânicos (especialmente dos visigodos), e os edifícios romanos adaptam-se progressivamente a uma cidade cristã. A cidade desenvolveu-se com a ocupação dos árabes, que a conquistaram no ano de 718. Valência era governada por Agréscio quando foi sitiada pelos invasores. Tanto Agréscio, o defensor, como Tárique, o atacante, sabiam que a situação era complexa e negociaram uma capitulação vantajosa para os cristãos, obtendo, tal como sucederia 500 anos depois no sentido inverso, a entrega da cidade aos sitiantes. Todos os habitantes puderam continuar a viver nas suas casas, com direito à prática da sua religião e à sua organização jurídica e administrativa, desde que aceitassem a autoridade política e militar dos conquistadores e o pagamento de impostos.

Abd al-Allah, filho de Abd al-Raman I (primeiro emir de Córdova), instalou-se em Balansiya (nome de Valência em árabe), e exerce um governo autónomo na área de Valência. Este traz para a cidade a sua língua, religião e costumes, que convivem com a dos habitantes originais, os moçárabes, que eram herdeiros da cultura hispanovisigoda e tinham como religião o cristianismo e como língua o moçárabe. Começou o reino da Taifa de Valência pelos descendentes de Almançor. Foi a época de máximo esplendor da cidade, onde se criaram sistemas de rega, se desenvolveu a agricultura e aumentou o comércio com as regiões cristãs. Fazendo parte da conquista da taifa de Balansiya, em 1238 o rei da Coroa de Aragão, Jaime I, conquistou a cidade com a ajuda de tropas da Ordem de Calatrava. Realizou-se a divisão das terras como ficou testemunhado no Llibre del Repartiment.

Foi nessa época que se assistiu a um grande desenvolvimento das áreas comerciais e artesanais. Em 1251 criaram-se os Furs de Valência (els Furs) que anos depois se tornariam estendidos ao resto do Reino de Valência. Em 1348 a Peste Negra e sucessivas epidemias dizimaram a população da cidade enquanto estalava uma revolta popular contra os excessos do rei, a guerra da União.[3] Em 1356, foram construídas novas muralhas, ampliando a superfície da cidade. Em 1363 e 1364 a cidade repele por duas vezes o assalto das tropas castelhanas. Como prémio, o Rei Pedro, o Cerimonioso concede à cidade o título de 'Duas vezes leal', que está representado pelos dois LL que ostenta o seu escudo.[4] Em 1391 os cristãos assaltam o bairro judaico, e obrigam os judeus a converter-se ao cristianismo. Em 1456 os árabes de Valência sofrem a mesma sorte. Valência foi capital de um dos dois Governos em que se dividia o reino: o de Valência e o de Orihuela.

Com a chegada da democracia a Espanha, Valência constituiu-se como capital da Comunidade Valenciana com Conselho Pré-autonómico de 1977 e recebeu um certo grau de autogoverno. Porém, a noite de 23 de fevereiro de 1981 trouxe uma tentativa golpista que, desde Valência, encabeçou Milans del Bosch, afortunadamente fracassada. A democracia propiciou a recuperação da língua e a cultura valenciana, ainda que não se possa evitar certa crispação social ao redor dos símbolos (isto é conhecido como a Batalha de Valência). O estatuto pôs-se em marcha em 1982 e em Valência instalou-se a Generalitat Valenciana e todos os órgãos de governo da Comunidade. Durante os primeiros 25 anos de democracia, Valência mudou significativamente. Destacam-se como obras emblemáticas o Jardim do Túria (ajardinamento do antigo percurso do Túria), o Palau da Música ou o de Congressos de Valência, o Metropolitano de Valência, e a nova Ciutat de les Arts i de les Ciències (Cidade das Artes e das Ciências), de Santiago Calatrava, entre outras obras modernas e que chamam muitos visitantes à cidade.

Fonte: Wikipédia

Conheça mais sobre Valencia
Destinos Espanha
Publicidade