Festa da Boa Morte

Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: Adenor Gondim
Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: Adenor Gondim

A historiografia dessas notáveis mulheres cachoeiranas continua a desafiar a inteligência de jovens pesquisadores. Seus rituais secretos ligados ao culto dos orixás também estão a requerer leitura etnográfica que respeite, naturalmente, os limites à manutenção dos segredos, tão importantes na manutenção dessa vertente religiosa. O que tem ressaltado é o aspecto externo do culto referido quase todo ao simbolismo católico e a sua apropriação afro-brasileira.

Durante o começo do mês de agosto, uma longa programação pública atrai a Cachoeira gente de todos os lugares, no que Moraes Ribeiro considera o mais representativo documento vivo da religiosidade brasileira, barroca, íbero-africana.

Ceias, cortejos, missas, procissões, samba-de-roda colocam cerca de 30 remanescentes da Irmandade, que já possuiu mais de 200, no centro dos acontecimentos da provinciana cidade e, ultimamente, nos principais órgãos noticiosos da capital e tele-jornais. A festa propriamente dita tem um calendário que inclui a confissão dos membros na Igreja Matriz, um cortejo representando o falecimento de Nossa Senhora, uma sentinela, seguida de ceia branca, composta de pão, vinhos e frutos do mar obedecendo a costumes religiosos que interditam o acesso a dendê e carne na sexta-feira dia dedicado a Oxalá, criador do Universo, e procissão do enterro de Nossa Senhora da Boa Morte, onde as irmãs usam trajes de gala.

A celebração da assunção de Nossa Senhora da Glória, seguida de procissão, em missa realizada na Matriz dá curso à contagiante alegria dos cachoeiranos que irrompe em plenitude, nas cores, comida e bastante música e dança que se prologam por diversos dias, a depender dos donativos arrecadados e das condições de pecúlio do ano.

Breve Historia:
A história da confraria religiosa da Boa Morte se confunde com a maciça importação de escravos da costa da África para o Recôncavo canavieiro da Bahia, em particular para a cidade de Cachoeira, a segunda em importância econômica na Capitania da Bahia durante três séculos.

O fato de ser constituída apenas por mulheres negras, numa sociedade patriarcal e marcada por forte contraste racial e étnico, emprestou a esta manifestação afro-católica, como querem alguns autores, notável fama, seja pelo que expressa do catolicismo barroco brasileiro, de indeclinável presença processional nas ruas, seja por certa tendência para a incorporação aos festejos propriamente religiosos de rituais profanos pontuados de muito samba e comida.

Quando: 13 à 15 de agosto.
Onde: Cachoeira-Ba

Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: João Ramos (Bahiatursa)
Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: João Ramos (Bahiatursa)
Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: João Ramos (Bahiatursa)
Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: João Ramos (Bahiatursa)
Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: Fernando Vivas (Ag. A Tarde)
Festa da Irmandade da Boa Morte - Foto: Fernando Vivas (Ag. A Tarde)
VER MAIS 5 FOTOS
 Veja também
Realizada desde o século XVIII, na cidade localizada a 71 quilômetros de Salvador, a festa reúne o profano e o sagrado. Tem seu ponto alto durante a lavagem da Igreja Matriz, realizada no domingo...Saiba mais
Pescadores e fiéis festejam em cortejo marítimo, que sai ao mar partir das 16h, em inúmeros barcos, conduzindo flores e outros presentes para a Rainha das Águas. Esta é uma das maiores manifestações...Saiba mais
Realizada desde o século XIX a Festa de Itapuã nasceu da devoção dos pescadores a Nossa Senhora da Purificação e por isso era celebrada originalmente em 2 de fevereiro; mais tarde, a partir da década de...Saiba mais
Destinos Bahia
Publicidade