Maculelê

Maculelê - Foto: BerimBrasil
Maculelê - Foto: BerimBrasil

Dança de procedência negra, ocorre normalmente na cidade de Santo Amaro da Purificação e têm a influência ativa da cultura baiana. Esse show folclórico ocorre a mais de 100 anos. Segundo algumas pesquisas, feitas por santamarenses, o maculelê veio das fazendas de canaviais para a cidade. O grupo se compõe de alguns pares de homens, ágeis e fortes, cada qual armado de um bastão de boa madeira de lei, principalmente biriba, medindo 60 ou 70 centímetros. O chefe do grupo usa um bastão maior e mais forte.

Durante a dança, os pares formam roda e o chefe bate com seu bastão nos bastões dos pares e estes se defendem formando um “x” com os dois pedaços de madeira. Em seguida, o par troca golpes com os bastões, no mesmo ritmo da percussão.

Em apresentações especiais, os bastões são substituídos por facões que, ao apagar das luzes, lançam faíscas no ar a cada golpe. Sua data de apresentação é variada, mas as exibições sempre acontecem durante a festa de Nossa Senhora da Purificação e no Bembé do Mercado, realizado em maio, comemorando a Abolição da Escravatura.

Muito comum no Interior da Bahia, precisamente na Região do Recôncavo e muito difundido na Cidade Santo Amaro da Purificação, o Maculelê, dentro das celebrações profanas locais, comemorativas do dia de Nossa Senhora da Purificação (2/Fev.), a santa padroeira da cidade.

Essa manifestação de forte expressão dramática, ponto alto dos folguedos populares, destinava-se a participantes do sexo masculino que dançavam em grupo, batendo as grimas (bastões) ao ritmo dos atabaques e ao som de cânticos em linguagem popular, ou em dialetos
africanos. Dentre todos os folguedos existentes em Santo Amaro, cidade marcada pelo verde dos canaviais, o Maculelê era o mais rico em cores. Seu ritmo vibrante contagiava a todos.

São contraditórias e pouco esclarecidas suas origens. Tem-se como um ato popular de origem africana que teria florescido no século XVIII nos canaviais santo-amarense e que se integra, há mais de duzentos anos, nas comemorações daquela cidade.

Um dos seus registros mais significativos consta na nota fúnebre publicada pelo jornal 'O Popular' (10/Dez/1873), que circulava em Santo Amaro: 'Faleceu no dia primeiro de dezembro a africana Raimunda Quitéria, com a idade de 110 anos. Apesar da idade, ainda capinava e varia o adro
(terreno em volta) da igreja da Purificação, para as folias do Maculelê. No início deste século, com a morte dos grandes mestres de Maculelê daquela cidade, o folguedo começou a desaparecer, deixando de constar, por muitos anos, das festas da padroeira.

Em 1943, outro mestre, Paulino Aluísio de Andrade, conhecido como Popó do Maculelê e considerado como 'pai do Maculelê, no Brasil', reuniu parentes e amigos para ensiná-los a
dançar, com base nas suas lembranças, pretendendo inclui-lo novamente nos festejos religiosas locais. Seu grupo passou a ser conhecido como 'Conjunto de Maculelê de Santo Amaro'.

Entretanto, é através dos estudos de Monoel Querino (1851-1932) que se encontram indicações de tratar-se o Maculelê de um fragmento do Cucumbi, uma dança dramática em que os negros batiam pedaços roliços de madeira, acompanhados de cantos. Em seu 'Dicionário do Folclore Brasileiro', Luís da Câmara Cascudo aponta a semelhança do Maculelê com os Congos e Maçambiques.

Emília Biancardi escreveu um livro de título 'Olelê Maculelê', considerado como um dos estudos mais completos sobre o assunto. Como a intenção aqui não é arrolar todas as hipóteses levantadas sobre as origens dessa dança folclórica, os exemplos acima citados já servem para demonstrar o grau de incerteza que persiste com relação às possíveis interpretações sobre os primórdios do Maculelê.

O Maculelê vem sofrendo profundas alterações em sua coreografia e indumentária, cujo resultado reverte em uma descaracterização. Exemplo: o que era originalmente apresentado como uma dança coreografada em círculo, com uma dupla de figurantes movimentando-se no seu interior
sob o comando do mestre do Maculelê, foi substituído por uma entrada em fila indiana com as duplas dançando isoladamente e não tendo mais o comando do mestre. O gingado quebrado, voltado para o frevo, foi substituído por uma ginga dura, de pouco molejo.

Mais recentemente, faz-se a apresentação sem a entrada em fila. Cada figurante posta-se isoladamente, sem compor os pares, e realiza movimentos em separado, mais nos moldes de uma aula comum de ginástica do que de uma apresentação folclórica requintada. Deve-se reconhecer que não só o Maculelê mais por todas as demais manifestações populares vivas ficam sempre muito expostas a modificações ao longo do tempo e com o passar dos anos.

Assim aconteceu no Rio de Janeiro com o Maculelê original, vindo da Bahia: sofreu alterações. Entendo que todas essas modificações devam ficar registradas, para permitir que os pesquisadores, no futuro, possam estudar as transformações sofridas e também para orientar melhor aqueles que vieram a praticar esse folguedo popular, de extrema riqueza plástica, rítmica e musical, que é o Maculelê.

Onde assistir: Em toda a Bahia

 Veja também
Grupo de indivíduos, onde cada um coloca uma peneira sobre a cabeça à um cabo de vassoura, atravessado nas costas e coberto por um lençol branco, com ênfase carnavalesca.Saiba mais
Homens que se apresentam em trajes esportivos, onde os mesmos tocam caixa, bumbo, trombone e clarinete, com o objetivo de anunciar a festa que se aproxima.Saiba mais
Manifestação, que se trata de uma espécie de penitência que se apresenta nos cemitérios e igrejas, durante a QuaresmaSaiba mais
Destinos Bahia
Publicidade