Bumba Meu Boi

Bumba Meu Boi - Foto: Prefeitura de Santo Amaro
Bumba Meu Boi - Foto: Prefeitura de Santo Amaro

Normalmente é a mais conhecida e complexadas danças dramáticas do folclore, apresentando variantes diversas,de acordo com a região do país. Suas variantes abrangem a denominação boi-bumbá, na Amazônia; boi-surubim no Ceará e boi-de-mamão, em Santa Catarina. Na seqüência coreográfica, apresentam-se vários personagens, celebrando sempre o “boi”.

O bailado consiste na sucessão de várias cenas relativas a um confronto com o animal, que depois é conduzido por dois vaqueiros, sendo ferido por um deles. Exibe-se no ciclo natalino, apresentando-se com menor incidência no Carnaval e em determinadas festas populares do interior.

O que é o Bumba-Meu-Boi? : Existem duas corentes de estudiosos que defendem o surgimento do Bumba meu boi , uma diz que teria nascido de escravos e gente pobre agregados de engenhos e Fazendas ,trabalhadores da roça e de pequenos oficios das cidades interioranas, por vota das ultimas Decadas dom Seculo XVIII.Sem nenhuma participação feminina pelas circunstância sociais da epoca.

Para outros estudiosos , a 'mãe' do Bumba meu boi brasileiro  está ligada a alguns elementos orientais e europeus do Boi-de-canastra de Portugal,mas sem enredo nem declarações e sim ação lúdica. O bumba-meu-boi é uma das mais ricas manifestações do folclore brasileiro este nome  Bumba , uma interjeição onomatopaica que indica estrondo de pancada ou a queda ( bumba-meu-boi: bate! ou chifra, meu boi), ou da nossa cultura popular, é o Folguedo de maior significação estética e Social do Brasil efoi o primeiro a conquistar a simpatia dos indígenas durante a catequese.

Tal como ocorre no Brasil não é visto em outro lugar,salvo na África ,para onde imigrantes brasileiros o levaram.Denomina-se no Daomé: Burrinha,com caracteristicas diferentes da brasileira.A referência escrita mais antiga feita no Brasil sobre o bumba-meu-boi foi feita pelo Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama (1791-1852), no Periodico(jornal) 'O Carapuceiro' de 11 de Janeiro de 1840(Recife).   

A Festa do Bumba-Meu-Boi: É uma espécie de ópera popular, cujo conteúdo varia entre os inúmeros grupos de bumba-meu-boi existentes mas, basicamente, desenvolve-se em torno da lenda do fazendeiro que tinha um boi de raça, muito bonito, e querido por todos  e que, inclusive sabia dançar. Na fazenda trabalhavam Pai Chico, também chamado negro Chico, casado com Catirina, os vaqueiros e os índios.Catirina fica grávida e sente desejo de comer a língua do boi. Pai Chico fica desesperado. Com medo de Catirina perder o filho que espera, caso o desejo não seja atendido, resolve roubar o boi de seu patrão para atender ao desejo de sua mulher.

O fazendeiro percebe o sumiço do boi e de Pai Chico e manda os vaqueiros procura-los, mas os vaqueiros nada encontram. Então o fazendeiro pede para os índios que ajudem na procura.  Os índios conseguem encontrar Pai Chico e o boi, que neste intervalo havia adoecido. Os índios levam Pai Chico e o boi à presença do fazendeiro, que interroga  Chico e descobre porque ele havia levado o boi.  

Os pajés (ou doutores) são chamados  para cura-lo, e após várias tentativas conseguem curar o boi, que se levanta e começa a dançar alegramente.   Então o fazendeiro perdoa Pai Chico e tudo termina em festa. Na outra história bastante comum na Bahia o boi não revive e seu corpo é partilhado. No bumba-meu-boi não existe epóca para a realização da festa , esta data varia muito de região para região , e até mesmo na região.

Uma vez convidado, o grupo apresenta-se defronte a casa de quem o convidou . A apresentação começa um pouco antes da casa, quando o amo do boi canta a toada inicial, chamada Guarnecer, organizando o grupo para a apresentação. Depois do Guarnecer, é a hora do Lá Vai, que é uma toada para avisar o dono da casa e demais que o boi já está indo. Depois do Lá Vai, e cantada a Licença, quando o boi pede licença para se apresentar. No decorrer da apresentação cantam  louvores a São João, São Pedro, ao boi, ao dono da casa e vários outros temas, como a natureza, lendas da região, amores, política, etc.

Em determinado momento começa o auto, quando apresenta a história básica de Catirina e Pai Chico, que no entanto pode variar muito de um grupo para outro. Também é cantado o Urra do boi e a toada de despedida, e a apresentação termina. As apresentações sucedem-se até por volta do mês de setembro, quando ocorre a morte do boi. Para a morte do boi, é preparado um grande mourão no centro do terreiro, todo enfeitado. Defronte ao altar de São João, reza-se a Ladainha .

A matança do boi dura três dias ou mais, com muita festa e dança. No final o boi é morto simbolicamente, onde o vinho representa o seu sangue. O 'couro' que envolvia a armação de madeira é retirado. Para o próximo ano, outro 'couro' será bordado, novas toadas serão compostas e o ciclo recomeça.

Personagens e Vestimentas:   Existem vários personagens e variam bastante entre os diferentes grupos, mas as principais são as seguintes:

Amo ou Fazendeiro: representa o papel do dono da fazenda, comanda o grupo com auxílio de um apito e um maracá (maracá do amo) canta as toadas principais;
Pai Chico: empregado da fazenda, ou forasteiro, dependendo do grupo, rouba ou mata o boi para atender o desejo de mãe Catirina. O papel  desempenhado por esta personagem varia de grupo para grupo, mas na maioria das vezes desempenha um papel cômico;

Mãe Catirina : mulher do pai Chico, que grávida deseja comer a língua do boi. Coloca enchimento na barriga para parecer que está gestante;

Boi : é a principal figura, consiste numa armação de madeira em forma de touro, coberta de veludo bordado. Prende-se à armação uma saia de tecido colorido. A pessoa que fica dentro e conduz o boi é chamado miolo do boi;

Vaqueiros: são também conhecidos por rajados. Nos bois de zabumba são chamados caboclos de fita. Em alguns bois existe o primeiro vaqueiro, a quem o fazendeiro delega a responsabilidade de encontrar pai Chico e o boi sumido, e seus ajudantes que também são chamados vaqueiros;

Índios, índias e caboclos:tem a missão de localizare prender pai Chico. Na apresentação do boi proporcionam um belo efeito visual, devido à beleza de suas roupas e da coreografia que realizam. Alguns bois, principalmente os grupos de sotaque da ilha, possuem o caboclo real, ou caboclo de pena, que é a mais rica indumentária do boi;

Burrinha : aparece em alguns grupos de bumba -meu-boi, trata-se de um cavalinho ou burrinho pequeno, com um furo no centro por onde entra o  brincante, a burrinha fia pendurada nos ombros do brincante por tiras similares à suspensório;

Cazumbá : Personagem divertido, as vezes assustador, que usa batas coloridas e mascaras de formatos e temática muito variada. Não são todos os grupos de bumba-meu-boi que possuem cazumbás;   

Instrumentos Musicais :  
O bumba-meu-boi formou-se através da união de alguns elementos culturis europeus, africanos e indígenas. A maior ou menor influência de uma das culturas pode ser percebida através dos instrumentos, vestimentas, dança, coreografia, instrumentos e rítmo dos grupos de bumba meu boi. Este conjunto de fatores, principalmente o rítmo define o que convencionou-se chamar sotaque do grupo.

A maior influência indígena , pode ser percebida nos bois da ilha, ou bois de matraca (sotaque de matraca). A influência da cultura africana predomina no chamados bois de Guimarães, ou bois de zabumba (sotaque de zabumba).

A cultura européia é melhor percebida nos chamados bois de orquestra (sotaque de orquestra). No entanto como a criatividade corre solta dentre os grupos de bumba-meu-boi e novos grupos surgem frequentemente, os sotaques também vão mudando e novos sotaques vão surgindo. Não existem dois grupos de bumba-meu boi com o sotaque exatamente igual.

Os bois de influência predominantemente indígena, bois de matraca,  utilizammais os seguintes instrumentos:
Maracá : instrumento feito de lata, cheio de chumbinhos ou contas de Santa Maria. É um instrumento de origem tanto africana como indígena;

Matraca : feita de madeira, principalmente pau d'arco, é tocada batendo-seuma contra a outra;

Pandeirão : pandeiro grande, coberto geralmente de couro de cabra. Alguns tem mais de 1 metro de diâmetro e cerca de 10 cm de altura. São afinados a fogo.

Tambor onça : É uma epécie de cuica, toca-se puxando uma vareta que fica presa ao couro e dentro do instrumento. Imita o urro do boi, ou da onça.

Os bois de zabumba utilizam principalmente:
Maracá : instrumento feito de lata, cheio de chumbinhos ou contas de Santa Maria;

Tamborinho: pequeno tambor coberto de couro de bicho, o mais comum é usar couro de cutia, é tocado com a ponta dos dedos;

Tambor Onça : É uma epécie de cuica, tocase puxando uma vareta que fica presa ao couro e dentro do instrumento;

Zabumba: é um grande tambor, conhecido também como bumbo, é um instrumento típicamente africano;

Tambor de Fogo: feito de uma tora de madeira ocada à fogo e coberto por um couro cru de boi preso à tora por cravelhas. É um instrumento tipicamente africano;

Os bois de orquestra tem instrumentação muito variada, utilizam instrumentos de sopro como saxofones, trombones, clarinetas e pistões; banjos, bumbos e taróis, também maracás e outros. 

Onde assistir: Cachoeira, Camamu, Canavieiras, Conde, Cruz das Almas, Ibotirama, Juazeiro, Inhambupe, Jequié, Monte Santo, Santo Antônio de Jesus, São Félix, Prado, Jiquiriçá, Itacaré, Nova Viçosa e Porto Seguro

Bumba Meu Boi - Foto: Prefeitura de Santo Amaro
Bumba Meu Boi - Foto: Prefeitura de Santo Amaro
 Veja também
Grupo de atiradores de bacamarte - armas de fogo do século XIX - que se exibem em movimento, disparando com balas de festim as antigas armas, sob a direção de um comandante..Saiba mais
Grupo de indivíduos, onde cada um coloca uma peneira sobre a cabeça à um cabo de vassoura, atravessado nas costas e coberto por um lençol branco, com ênfase carnavalesca.Saiba mais
Homens que se apresentam em trajes esportivos, onde os mesmos tocam caixa, bumbo, trombone e clarinete, com o objetivo de anunciar a festa que se aproxima.Saiba mais
Destinos Bahia
Publicidade