Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanHindiItalianJapanesePortugueseRussianSpanish
História de Cairú
Cueira - Foto: Tatiana Azeviche - Setur-Ba (Licença: cc-by-sa-3.0)
Cueira - Foto: Tatiana Azeviche - Setur-Ba (Licença: cc-by-sa-3.0)

Esse município insular é o próprio Arquipélago de Tinharé, composto por 36 ilhas localizadas num complexo estuarino, onde as ilhas principais são as de Cairu, Boipeba e Tinharé. Ao todo, existem três vilas (Galeão, Gamboa e Velha Gamboa), seis povoados (Morro de São Paulo, Canavieiras, São Sebastião, Torrinhas, Tapuias e Garapuá) e uma cidade – Cairu. O nome primitivo da ilha de Cairu era Aracajuru, “casa do sol” na linguagem indígena.

Cairu surgiu no século XVI, durante o povoamento da Capitania de Ilhéus. Era uma das mais importantes vilas da Colônia. A sede foi elevada à categoria de vila em 1610 e em 1938 à cidade. No século XVIII, era considerada a melhor e mais segura moradia da região, onde fixaram residência ouvidores e corregedores da Câmara de Ilhéus.

A sede está localizada na Ilha de Cairu e é dividida em cidade alta, onde a cidade nasceu, e cidade baixa. Na cidade alta existem alguns prédios com importância histórica, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário (1610) situada numa elevação olhando para o Convento de Cairu. Do alto descortina-se uma belíssima vista da região. As casas do entorno, baixas, formam um agradável conjunto. Não deixe de ver as imagens de Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora das Dores, São José e São Miguel.

São também muito bonitas as janelas conversadeiras da sacristia feitas de cantaria de arenito. Há ainda sobrados com dois pavimentos com sótão e, na entrada da cidade, o prédio da antiga prefeitura, possivelmente do final do século XVIII. Erguidos onde existia uma pequena ermida de invocação a Santo Antônio, estão a Igreja e o Convento de Santo Antônio cuja fachada, precedida de cruzeiro de pedra, está voltada para o braço de mar que separa as ilhas de Tinharé e Boipeba.

Do lado esquerdo da Igreja de Santo Antônio ficam as ruínas da capela-mor da Ordem Terceira, que nunca chegou a ser concluída. O início da construção desse convento, construído pelos Capuchinhos, remonta a 1654 e um conjunto precioso de azulejaria portuguesa do tipo tapeçaria dos séculos XVII e XVIII existe até hoje. Dos mirantes existentes no primeiro andar descortina-se uma bela vista do mar e do campo.

No início do século XVII, os franciscanos que receberam, por doação, “a sesmaria das doze léguas de Camamu”, construíram em Cairu a Residência de São Francisco Xavier (Galeão – 1623) e a Igreja de Santo Inácio.

No início do século XVIII, a exploração das matas passa a rivalizar com a produção de farinha na região. Cairu era um tradicional fornecedor de farinha para a Capital. É interessante citar que durante três décadas Cairu contribuiu financeiramente para a reconstrução de Lisboa, arrasada por um grande terremoto em 1756. Data dessa época o surgimento de quilombos criados por negros fugitivos.

Em 1870, o corte da madeira era tão intenso e gerava tantos lucros que o governo precisou criar a função de Juiz Corregedor das Matas para deter a exploração predatória descontrolada. Vinte anos mais tarde, dada à ineficácia dessa medida, a Coroa resolveu tombar o que restava das matas, para estancar a exploração de madeira nas ilhas.

O folclore local mantém viva a lembrança da ascendência indígena, da escravidão, da presença militar, das lutas em defesa da nação, da saudade de Portugal, Espanha, Holanda e Angola. Permanecem muito vivas as representações dos congos, taeiras, dondoca, alardo, zambiapunga, chegança, bumba-meu-boi e barquinha cinza.

Conheça mais sobre Cairú
Destinos Bahia
Publicidade